Na Ponta da Língua

Consideracões linguisticas do dia-a-dia

segunda-feira, dezembro 06, 2004

Ao menino e ao pepino…

Numa inocente conversa de “pequeno-almoço” na quinta-feira passada surgiu a seguinte pergunta de um dos colegas: como se diz pepino em Francês? Antes de imaginarem o porquê desta pergunta, situemo-nos primeiro.

País: Suécia
Local: Hospital
Intervenientes: médicos que vão começar dentro de minutos o seu dia de trabalho
Dia: Quinta-feira

Agora as explicações... às quintas-feiras é “dia de pequeno-almoço”. Sendo grandes apreciadores das refeições e de petiscos vários, aliás, creio que gerem a sua vida em torno disso, os Suecos adoram uma mesa cheio de pequenos petiscos. Na ausência de um núcleo familiar à mão, recorrem-se do núcleo de trabalho. Não é de estranhar que as actividades organizadas passem então sempre por qualquer coisa que envolva comer e beber. E num pequeno almoço sueco, digo mais, em qualquer refeição à sueca que se preze tem que haver... pepino. Pessoalmente acho o pepino fresco um pouco insípido, e não sou grande apreciador de sandes que contenham coisas que molhem o conteúdo da sandes (chamem-me esquisito), mas para um Sueco, é obrigatório. Por isso, às quintas-feiras há sempre um desgraçado responsável por trazer petiscada para alimentar uns mais de dez Suecos desejosos. É a chamada “smörgåsbord”... divida-se a palavra:

Smör- manteiga
Gås- ganso
Bord- mesa

A smörgås é uma “instituição” sueca, a famosa sandoca que consiste duma base em pão à escolha, geralmente espalmado especialmente para o efeito, onde se pode pôr em cima tudo o que nos apetecer. Uma forma autorizada de petiscar.

Estava então tudo na conversa amena quando alguém que estaria a filosofar sobre pepinos, lançou sem se aperceber a inicialmente pergunta retórica... como se diz pepino em Francês?

Outra característica dos Suecos é que gostam de pensar que são cultos, viajados e sabem das coisas boas da vida. Por isso, saber nomes de alimentos em Francês, que é sempre chique e cai bem em qualquer situação, despertou a atenção de todos da mesa.

Um dos mais velhos, Norueguês por sinal, e com obrigação, segundo os standards locais, de saber destas cosias, lançou meio instintivamente uma solução, meio a medo. “Cornichon... acho”.

E aí se revelou o seu interesse linguístico da língua francesa. Orientado pelo estômago. Certamente terá visto nas vasilhas com pequenos pepinos em “pickle”...

Depois a coisa atingiu-me (eu que não sou grande boca e que os nomes das comidas e afins me passam todos ao lado, mesmo em Português...): pepino, pepino... peraí, nem sei como se diz em Inglês!

Consulta de dicionário rápida revelou a solução:

Cucumber

Bem, que palavra esta! Esquisita, pensei. Deixa ver como é em Francês:

Concombre

Bem, afinal parece que alguma coisa me escapa, não é que é semelhante em Inglês e Francês???

Alguém, numa de fazer humor quando a situação aperta, fez rir toda a mesa com a sua brilhante sedução: “Já sei: la gurque”. Bem, para saber onde está a piada resta saber que em Sueco se diz “gurka”, como no Alemão “Gurken”...

Depois do humor, fui analisar a origem da palavra inglesa e francesa para pepino:

[Middle English cucomer, from Old French coucombre, from Latin cucumis, cucumer-.]

Ora cá está, vem do Latim… erudtio. Mas que raios, afinal de onde vem a nossa palavra para pepino!? Consulta do dicionário de língua portuguesa:


do Cast. pepino
s. m., Bot., fruto do pepineiro;
pop., palhaço.


Raios, que me fizeram de pepino...
E em Italiano?

Cetriolo

Bem, é melhor deixar o pepino para outro dia!